O sagrado e o profano na Festa da Flor, património imaterial do noroeste de Portugal

Resumen

A vila de Alvarães organiza anualmente a Festa de Santa Cruz e dos Andores Floridos, festa profana e sagrada. A componente sacra da festividade é mais visível nas cerimónias litúrgicas dominicais, enquanto o laico está bem patenteado nas actividades lúdicas nocturnas de sábado e domingo. A principal atracção festiva é sacro-profana, centra-se no património cultural, os andores e cruzes cobertas de milhões de pétalas. Para a execução desta arte, reúne-se a população por lugares e cada um faz um andor para um santo. Nesta actividade intervém toda a população, que dedica várias semanas de trabalho à arte efémera. O serão nocturno é um tempo de convívio entre sexos e de transgressão consentida, sem a presença do sagrado. Nesta povoação, a economia de festa assenta em ofertas financeiras de todos os habitantes, onde a vontade de mostrar a arte efémera aos visitantes é a razão da festa. Com este texto, pretende-se divulgar uma festa onde a flor é fundamental para o património imaterial de uma vila portuguesa.

Descargas

La descarga de datos todavía no está disponible.

Citas

Amaral, RCMP. (1998). Festa à brasileira, significados no país que “não é sério”. Tese de doutorado. São Paulo, Universidade de São Paulo.

DOI https://doi.org/10.11606/t.8.1998.tde-21102004-134208

Cepa, MM. (1939). Monografia de S. Miguel de Alvarãis. Braga, Oficina de S. José.

Costa, F. (2016). Do material ao imaterial, Procissões, festas e romarias no Almanach de Lembranças (1851-1932). Porto, Universidade do Porto.

Eco, U. (dir.). (2002). História da beleza. Lisboa, Difel.

Ferreira, S. (coord.). (2015). Festas e romarias, Norte de Portugal. Viana do Castelo, Turismo do Porto e Norte de Portugal.

Garcia, MG. e Zink, JD. (2002). Fogo de artifício, festa e celebração, 1709-1880. Lisboa, Biblioteca Nacional.

Lopes, A. (2004). Devoção e poder nas festas do Espírito Santo. Chamusca, Cosmos.

Oliveira, A. (2010). “Por feiras e romarias entre Douro e Minho a meados do século XVIII (Ponte do Lima/ Arcos de Valdevez)”. En Dinâmicas de Rede no Turismo Cultural e Religioso. Vol. II. Maia, ISMAI: 277-293.

Oliveira, E. (1984). Festividades cíclicas em Portugal. Lisboa, Publicações Dom Quixote.

Pinto, JM. (coord.). (2012). Festa das Cruzes e Andores Floridos. Alvarães e Viana do Castelo, Câmara Municipal de Viana do Castelo.

Sanchis, P. (1992). Arraial: festa de um povo, as romarias portuguesas. 2da edição. Lisboa, Publicações Dom Quixote.

Vasconcelos, JL. (1985). Etnografia Portuguesa. Vol. IX. Lisboa, Imprensa Nacional-Casa da Moeda.

Publicado
2021-01-21
Sección
Dossier Fiestas y celebraciones